app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5653
Política

Em apoio a Lira, líderes cancelam reunião com Haddad e Padilha

Parlamentares ficaram incomodados com o fato de o Presidente da Câmara não ter sido convidado para o encontro

Por CNN Brasil | Edição do dia 07/02/2024 - Matéria atualizada em 07/02/2024 às 04h00

Lideranças da Câmara cancelaram uma reunião que ocorreria na tarde de ontem com os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Parlamentares governistas citam as falas de Arthur Lira como justificativa para a desistência da agenda, que reuniria nomes próximos ao presidente da Casa. O encontro será remarcado para depois do carnaval. A reunião com líderes do Senado está mantida.

Ainda segundo lideranças da Câmara ouvidos pela CNN, a maioria deles se sentiu incomodada em participar do encontro sem a participação do Presidente da Câmara, Arthur Lira. Parte dos parlamentares também está fora de Brasília, o que esvaziaria o quórum do encontro.

Ele não teria sido convidado para a reunião, segundo seus interlocutores. A avaliação no seu entorno é que Haddad e Padilha tentaram forçar um encontro sem ele em um momento em que a relação dele com o governo está desgastada.

Fontes do governo confirmaram à CNN que Lira não foi convidado e que a ideia da reunião era tratar da agenda apenas com os líderes.

AGENDA

Tanto que, como mostrou a CNN na segunda-feira (6), o Presidente Lula disse a aliados não garantir um encontro nos próximos dias Lira.

Segundo esses relatos, são dois os principais motivos. Primeiro, de agenda. Lula foi ao Rio de Janeiro e Baixada Fluminense nesta terça e quarta-feira para uma série de inaugurações. Na quinta estará em Belo Horizonte. Depois já se inicia o carnaval e, na terça-feira que vem, o presidente viaja para a Etiópia.

O segundo motivo é político. O presidente teria relatado a auxiliares incômodo com as cobranças que têm sido feitas nos bastidores por Lira ao ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Lira e Padilha não se falam desde o ano passado depois que o governo federal tomou uma série de decisões contrárias ao Congresso, como o veto à Lei de Diretrizes Orçamentárias sobre cronograma de emendas e a mais de R$ 5 bilhões em emendas parlamentares.

Na visão do governo, são decisões que foram tomadas pelo Planalto e que, portanto, não cabe a Lira liderar um processo de fritura política de Padilha. O entendimento de interlocutores do presidente é que um dos motivos que têm incomodado Lira é a indefinição até agora do nome preferido do Planalto para sua sucessão.

Todos os sinais dados por ora são de uma preferência por nomes como o de Marcos Pereira (Republicanos-SP) ou Antonio Brito (PSD-BA) e não por Elmar Nascimento (UB-BA), o candidato de Lira. Além disso, há a leitura de que o embate é pelo controle do orçamento federal.

O Congresso avançou nos últimos anos sobre o orçamento federal e o governo Lula tem tentado retomar ao menos parte desse controle.

A reclamação de Lira – especificamente – sobre o controle do orçamento, quando assume que há “burocracia técnica” para liberação dos recursos públicos – foi interpretada pelo Executivo como uma mensagem extensiva à Fazenda.

Aliados do Presidente Lula e Haddad acreditam que o ministro faz um movimento para proteger o Planalto e, consequentemente, um aceno de unidade à articulação política, sob o comando de Alexandre Padilha, alvo de boa parte dos ataques do presidente da Câmara.

O encontro de ontem seria para decidir, especialmente, sobre reoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. A Fazenda ainda discute com o Congresso uma alternativa à Medida Provisória enviada pelo governo em dezembro. Haddad sugere manter na MP apenas o fim do Perse – programa de socorro a empresas de eventos e hotelaria – e regras para pagamento de compensações tributárias.

Mais matérias
desta edição