app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Rural

Agricultores produzem fogões agroecológicos

Objetivo da capacitação promovida pela Emater é reduzir o consumo do gás de cozinha por método sustentável

Por Editoria do Gazeta Rural | Edição do dia 05/06/2021 - Matéria atualizada em 05/06/2021 às 04h00

Buscando práticas de inovação tecnológica e ferramentas sustentáveis, a Emater capacitou agricultores de oito municípios para desenvolver fogões agroecológicos de baixo custo, que evitam danos à saúde humana e ambiental, além de diminuírem o desmatamento da Caatinga, gerarem renda e evitarem riscos de acidente domésticos.

As cidades contempladas foram Água Branca, Inhapi, Delmiro Gouveia, Pariconha, Piranhas, Mata Grande, Canapi e Santana do Ipanema. A capacitação é dividida em dois dias. No primeiro, acontecem aulas e palestras demonstrando e ensinando sobre essa nova tecnologia. No segundo, a turma é dividida em grupos de cinco pessoas, que vão pôr em prática o que aprenderam para a confecção dos fogões.

O agricultor Silvano Pereira da Graça, que fez parte do projeto, deixou de comprar gás de cozinha há mais de dois anos e também não tem usado a queima da lenha, nem do carvão. Por meio do uso do biodigestor, ele passou a usar o gás para cozinhar e o biofertilizante na lavoura. O esterco que antes era deixado no terreno, hoje, tem sido reaproveitado na adubação do solo.


Com o conhecimento adquirido agricultores reduzem custos e contribuem para a preservação ambiental
Com o conhecimento adquirido agricultores reduzem custos e contribuem para a preservação ambiental - Foto: Divulgação
 

“Aprendi a reutilizar o que tenho na minha propriedade para melhorar a renda e fazer economia. Antes usava a queima da lenha e do gás de cozinha, o fogão agroecológico é uma tecnologia que vai deixar muitas árvores vivas. Além de produzir o gás de cozinha, ele ainda ajuda com o biofertilizante no desempenho das plantas”, relatou Silvano.

O extensionista da Emater, Isaquiel Dias, explicou que a assistência técnica foi o eixo central para implantar tecnologias junto ao agricultor. “A ideia é que ele preserve o meio ambiente, utilizando os recursos disponíveis na propriedade, no conceito ecossistêmico. Contribuindo para a melhoria da qualidade de vida do produtor, gerando trabalho e renda para família”, afirmou.

Mais matérias
desta edição